Inadimplência do consumidor tem alta
Indicador do SPC Brasil e CNDL aponta crescimento de 2,10%, em janeiro 14/02/2018 02:35
Apesar dos sinais mais claros de retomada da economia, a inadimplência do consumidor vem se mantendo em um patamar elevado. Segundo dados apurados pelo Indicador de Inadimplência do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o volume de brasileiros com contas em atrasos e com restrições no CPF abriu o ano de 2018 com alta de 2,10% na comparação com o mês de janeiro do ano passado.

Trata-se do crescimento mais expressivo desde junho de 2016, quando a alta fora de 2,78%. Na comparação mensal, ou seja, com dezembro de 2017, sem ajuste sazonal, o aumento na quantidade de devedores foi de 0,96%, a maior desde maio do ano passado. Segundo estimativa do SPC Brasil e da CNDL, atualmente são mais de 60,7 milhões de consumidores brasileiros inscritos em cadastros de inadimplentes, número que representa aproximadamente 40% da população adulta que reside no país.

De acordo com o indicador, a região Sudeste concentra o maior número absoluto de consumidores negativados no país: 25,7 milhões de brasileiros, o que representa 39% da população adulta da região. A segunda região com maior número absoluto de devedores é o Nordeste, que conta com 16,5 milhões de negativados, ou 41% da população que reside nessa região. Em seguida, aparecem o Sul, com 8,2 milhões de inadimplentes (37% da população adulta), o Norte, com 5,4 milhões de devedores (45% do total da população residente, a maior entre as cinco regiões) e o Centro-Oeste, que por sua vez, aparece com um total de 4,9 milhões de inadimplentes, ou 42% da sua população.

NÚMERO DE DÍVIDAS DIMINUI
Outro indicador mensurado pelo SPC Brasil e pela CNDL é o de volume de dívidas atrasadas. Nesse caso, houve uma variação negativa de 1,94% na comparação anual - janeiro de 2018 frente ao mesmo mês de 2017. Já na comparação mensal, frente a dezembro de 2017, foi observado uma leve alta de 0,87%.

"A quantidade de dívidas em atraso desacelera de forma mais intensa do que o número de devedores negativados. Isso quer dizer que o consumidor inadimplente tem iniciado o pagamento de dívidas em atraso aos poucos. Como consumidor inadimplente tem em médias, duas dívidas em atraso, ainda que ele quite uma, seu CPF continua restrito por causa da outra dívida", explica a economista Marcela Kawauti.

De acordo com o SPC Brasil, os atrasos com empresas concessionárias de serviços básicos como água e luz foi o que mostrou a maior queda de dívidas em janeiro. Na comparação anual, as pendências de pessoas físicas com o setor caíram 7,12%. Os atrasos no comércio, geralmente realizadas no boleto ou crediário, também apresentaram uma retração expressiva de 6,97%.

As dívidas bancárias, que contemplam atrasos no cartão de crédito, financiamentos, empréstimos e seguros apresentaram alta de 1,69% no período, enquanto o setor de comunicação, que engloba atrasos em contas de telefonia, internet e TV por assinatura apresentaram a alta mais elevada, com 9,01% a mais de atrasos na comparação com janeiro do ano passado.

De acordo com o indicador do SPC Brasil, cinco em cada dez dívidas pendentes (51%) de pessoas físicas no país têm como credor algum banco ou instituição financeira. A segunda maior representatividade fica por conta do comércio, que concentra 18% do total de dívidas não pagas, seguido pelo setor de comunicação (14%). Os débitos com as empresas concessionárias de serviços básicos como água e luz representam 8% das dívidas não pagas no Brasil.
Matérias Relacionadas

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Mais Lidas
Um debate sério
João Eduardo
CPqD
exibições: 2539
00:02:43
Um belo propósito
Rodrigo Tavares
99
exibições: 4234
00:01:43
Total de vídeos: » 1.084
http://www.portalcreditoecobranca.com.br